Seja Bem vindo a minha página

ABANDONE DE VEZ SUAS PONTUAÇÕES E RENDA-SE COM TODA SUA PECAMINOSIDADE AO DEUS QUE NÃO LEVA EM CONTA NEM OS PONTOS , NEM AQUELE QUE OS MARCA, MAS VÊ EM VOCÊ , SOMENTE UM FILHO REMIDO POR CRISTO- Thomas Merton

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

Faça a sua escolha

É MELHOR SER UM CRENTE DE ANTIGAMENTE, OU UM CRENTE MODERNO? Bum... bum.... e o ano de 2007 foi pro espaço e depois da tradicional comilança fui descansar, isso ai, descansar as 03h30 da manhã e levantando as 6h00. Na sala, ainda o restante dos animados da festa que ainda ficaram pra celebrar o novo ano. Mas essa introdução é somente um pretexto para voltar à frente de seus olhos e ter um pouco da sua atenção para mais um comentário reflexivo. Dessa vez, quero falar sobre nós, os crentes que antigamente nada trocávamos por um momento de culto, inclusive nessa época, onde as mulheres preparavam os alimentos e corriam para o templo, e ainda traziam as visitas, os parentes que chegaram de longe para festejarem o novo ano. Como somos hoje? Ainda não abandonamos a prática de exercermos o prazer da degustação, sendo assim a comida está em alta, os parentes também, afinal de contas só os vemos em funerais, casamentos, natal e festas de final de ano (o que considero isso uma aberração de hipocrisia). Os crentes de hoje viajam, ficam com a família, rompem a madrugada comendo e bebendo refrigerantes, (pelo menos é o que penso), alguns vão à praia se vestem de branco e... (deixa pra lá). Mas não estão nem ai pro culto de gratidão e celebração, afinal de contas são donos de seus próprios narizes. Os crentes de antigamente ouviam com atenção a recomendação dos seus pastores que os dirigiam em uma linha reta e clara dos melhores padrões doutrinários, os de hoje não, além do “pastor da igreja que ele congrega”, ele ouve o fulano de tal, admira o jeitão do apostolo “X” , faz a corrente dos 800, 1200, ofertam na igreja tal e pra não ficar mal com o pastor prefere entregar o dízimo na própria igreja por desencargo de consciência. Sem falar nos inúmeros livros que os pastoreiam, alguns deles cheios de heresias, pensamentos humanos, e de uma exegese irresponsável. Os crentes de antigamente, viam o pastor como um anjo, intocável, perfeito e que com a direção de Deus conduzia seus rebanhos aos portões celestiais (claro que a desmistificação levou o pastor a viver e ter o cheiro de suas ovelhas), mas por outro lado o vulgarizou, o fez parte do ambiente muitas vezes pecaminoso e sujo que algumas ovelhas insistem em estar, e o pior, nivelado não em humildade e amor, mas em comportamentos. O crente de antigamente era um fiel dizimista, não era necessário antes do ofertório pregar sobre o assunto, e nem tão pouco “inventar” o melhor meio de fazer com que ele se comova e entregue o que é de Deus para Deus, as viúvas tinham prazer de fazê-lo, bem como os aposentados, os meninos , meninas e jovens. O crente de antigamente quando orava o céu tremia, o crente moderno quando ora (nem todos) o céu desconfia e se vê mais pobre (se é que podemos assim nos expressar) por que a petição ocupa 99,9% das palavras de oração. O crente de antigamente não ousava em dizer que certo culto era chato e por isso não comparecia, o domingo não era o mais concorrido e sim as reuniões de oração e doutrina, o crente de hoje quer show com luzes, muito cântico, fumaça e de quebra aquela mensagem ou testemunho que fale de promessas, quer dizer, que fale mais das responsabilidades de Deus e menos de suas responsabilidades. O crente de antigamente, quando se dava bem desconfiava, quando envolvido a lutas e tribulações, corria para as reuniões de oração no templo de madrugada, jejuava (e não tinha essa de abstinência de líquidos, ou frutas, ou massas), era jejum total mesmo. O crente de hoje quer se dar bem e quando isso não acontece, desanima, resmunga e vai embora, diz que a igreja é fraca, e o pastor não tem chamado. Os céus não só querem os antigos, querem os de hoje também, mas aquele livro preto, o qual eu quando no processo de aprendizagem passei a ler com tanta vontade, e que me deu base para o que sei hoje, não faz acepção de pessoas, mas também não permite que se faça acepção de comportamentos éticos, doutrinários, mas que se ande em novidade de vida, e não se moldando ao comportamento mundano. Ser pastor hoje é um grande desafio, ser pastoreado é uma virtude que nem todos têm. Eu, alerto você meu irmão e minha irmã, ouça o que o seu pastor prega e mais ainda o que o Espírito Santo diz e faz com a igreja. Crente de ontem, crente de hoje ninguém é melhor que o outro, Jesus não mudou nem tão pouco a sua Palavra, portanto, cabe a nós no limiar de 2008, sermos melhores crentes, se comermos ou bebermos (água e refrigerante) façamos tudo para a glória de Deus que não tem preferência pelo fossilizado e nem pelo informatizado. Dario Do fóssil ao moderno

2 comentários:

  1. Sim sempre firmes e constantes devemos ser, solamente isto, abraços Pr Dário e que Deus o abençoe semmmmprrre......

    ResponderExcluir
  2. NEI SEI COMO FALAR ESTOU PASMA,SO SEI Q DEUS E FIEL E O Q O SENHOR ESCREVEU [DO FOSSIL AO MODERNO] EU LI TAMBEM NESTE MESMO LIVRO DE CAPA PRETA,E AS VEZES SOU JULGADA POR DEVENDER ISTO,POIS SOU UMA SIMPLES DONA DE CASA,MAS TUDO BEM NAO SOU EU QUEM SAI PERDENDO,MAS LAMENTO E ORO A DEUS P/ Q ELE MUDE ESTA SITUACAO DAS IGREJAS[PESSOAS].OBRIGADO POR PERMITIR DEUS TE USAR.GRACA E PAZ.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Volta Redonda, Rio de Janeiro, Brazil
Assunto: Radialista, e atuo como comunicador na rádio 88 fm há 14 anos , atualmente exerço mimha função de locutor na radio boas novas no Rio de Janeiro , uma empresa do mesmo grupo 88 . Tenho tido experiencias tremendas nessa área . obrigado a todos que se interessam em ler meus escritos quer seja por admiração ou por criticas